sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

55% dos profissionais de TI sofrem bullying no trabalho

São Paulo - Muitos profissionais de TI já têm que lidar com o velho estereótipo que os define como "nerds", tímidos e antissociais.
Agora, uma pesquisa ainda revela que mais da metade deles sofre bullying no trabalho.
Realizado por uma companhia norte-americana de hospedagem na web chamada Connectria Hosting, o levantamento entrevistou 250 profissionais da área e descobriu que 55% deles já sofreram bullying de um colega de trabalho.
E, além disso, 65% já se sentiram intimidados em ir trabalhar por causa do mau comportamento de outro funcionário.
O estudo é uma iniciativa do próprio CEO da empresa, Rich Waidmann, que deseja acabar com o bullying no trabalho com um movimento chamado “No Jerks Allowed” (algo como "Idiotas não são permitidos" em português).
Isso porque em uma entrevista para o site Business Insider, Waidmann conta que quando fundou a Connectria, em 1996, sua ideia era ter o melhor ambiente de trabalho possível para seus funcionários.
E sua intenção é de que cada vez mais companhias passem a adotar políticas de tolerância zero contra o bullying no escritório.
Aliás, a pesquisa revela que dois terços das pessoas entrevistadas afirmaram já estar trabalhando em empresas com políticas para combater esse tipo de assédio.
Não é de se surpreender que 83% disseram já ter trabalhado com uma pessoa que cometia bullying nos últimos cinco anos e 25% admitiram ter agido assim com outro colega.
Segundo a pesquisa, existem cinco tipos de "idiotas" mais comuns no trabalho:
1. O “Sabe-tudo” (cerca de 30% disseram que esse é o tipo mais comum)
2. “Bully” (26%)
3. “Reclamão” (21%)
4. “Puxa-saco” (16%)
5. “Fofoqueiro” (4%)
O levantamento ainda mostra que esses tipos de funcionários impactam negativamente a companhia em vários aspectos.
Dois terços dos entrevistados afirmaram que o mau comportamento faz com que os funcionários fiquem com a moral baixa.
O funcionário também pode acabar se isolando ao sofrer bullying: 42% dos participantes disseram que o assédio leva as pessoas a trabalharem isoladas e sozinhas em vez de colaborarem com a equipe.
40% também disseram que tal atitude diminui a qualidade de trabalho da companhia, e um terço afirmou que isso atrapalha a rotina do profissional com suas tarefas.
Veja em infográfico a pesquisa completa realizada pelo movimento "No Jerks Allowed".