Prefeitura capacita educadores para enfrentamento à violência sexual


A Prefeitura de São Luís promoveu nesta semana oficina sobre o fluxo de atendimento para crianças e adolescentes em situação de violência sexual aos professores da Secretaria Municipal de Educação (Semed). O objetivo da oficina é garantir a identificação e o atendimento dos casos de violência sexual da forma mais rápida e eficiente possível. O evento foi realizado no auditório da creche Maria de Jesus Carvalho, na Camboa.

“O enfrentamento à violência passa pela identificação dos casos, mas deve também criar formas de prevenir essa violência, razões pelas quais o trabalho de capacitação desenvolvido com esses profissionais é tão importante. Temos como balizas o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e a política da gestão do prefeito Edivaldo para a área da infância”, afirmou o titular da Semed, Geraldo Castro Sobrinho.

A oficina foi ministrada por representantes do Comitê de Monitoramento do Plano Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes que trabalharam as formas de violência sexual e ainda os condicionantes e determinantes desses casos. “Estamos discutindo todo o fluxo de atendimento aos casos de violência sexual, quais os serviços que temos dentro e fora da Semed, e como melhorar esse atendimento”, informou a integrante do comitê, Ana Lúcia Nunes.

Outro objetivo da capacitação é construir um fluxo interno e direcionamentos sobre a temática que cheguem aos gestores escolares, professores, crianças, adolescentes e suas famílias. Os educadores aprovaram a iniciativa. “Temos agora um conhecimento mais aprofundado de tudo o que diz respeito à violência sexual, entendendo melhor todos os procedimentos e encaminhamentos que devem ser feitos para cada caso”, avaliou Raquel Almeida, técnica da área de Ensino Fundamental.

Outros órgãos municipais já participaram do processo de capacitação sobre o fluxo de atendimento para crianças e adolescentes em situação de violência sexual. A oficina foi ministrada anteriormente a técnicos das secretarias de Saúde (Semus) e da Criança e Assistência Social (Semcas).


Transtorno do Espectro Autista

Direito de todos

Ajude a denunciar!