quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Idade,vamos celebrar \o/






Por Robert Lobato


Sobre a idade 


Sábado passado estive numa confraternização de fim de ano de uma certa associação de trabalhadores  - confraternização muito divertida, por sinal.

Entre uma cerveja e outra, um bolero aqui outro acolá, comecei a refletir sobre a idade. Isso mesmo, pessoas sonhadoras, ainda mais quando do signo de Aquário e de formação socialista, têm o hábito de refletir em qualquer espaço e circunstância.

Pois comecei fixar o olhar em algumas das mulheres lá presentes, a maioria na faixa dos 60, e via muita alegria, espontaneidade e beleza, muita beleza.

Aí que cheguei à conclusão de como a idade é cruel!

Olhava no rosto das coroas e ficava a imaginar o quanto deveriam ser lindas na juventude. “Ah, Robert, que coisa, elas continuam lindas”, pode alguém me chamar a atenção.

Sim, elas continuam lindas, mas não há como negar que o tempo transformou aquele tipo de beleza que o somente na juventude pode nos oferecer.

E, no caso das mulheres, o tempo parece ser mais cruel ainda por diversas razões, inclusive por conta de inúmeras injustiças socioeconômicas palas quais são vítimas.

Todo ano a idade anuncia sua chegada, mas a gente só percebe que nos atingiu no momento em que paramos para ver as suas marcas nos outros, e não em si próprio.

Aquelas damas animadas, lindas e cheias de vida do dia da confraternização citada acima fizeram eu pensar na crueldade sorrateira da idade.

O consolo fica com o fato da idade trazer consigo a experiência, inteligência, maturidade, sabedoria e tantas outras coisas que dão sentido à vida e que somente conseguimos com o passar dos anos.

Na verdade, se por um lado a idade é cruel, por outro é generosa, pois é ela que evita de fazermos um monte de bobagens nos momentos de angústia.

Celebremos, então, a idade.

De preferência bebendo e dançando como aquelas “meninas” do dia da confraternização.




Fonte: http://robertlobato.com.br/sobre-a-idade/#comment-73384