quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Eleições 2014: o que nos espera no próximo ano?




Por Robert Lobato


O ano de 2014 promete.

Tempos de Copa do Mundo e de eleições quase gerais, quando a cidadania será chamada às urnas para escolher presidente da República, senadores, governadores, deputados federais e deputados estaduais, 2014 será, como diria Roberto Carlos, marcado por “muitas emoções”.

No tocante ao Planalto a tendência é a confirmação da reeleição da presidenta Dilma (PT), já que até o momento não há um projeto de nação que se apresente melhor do que este em curso no país desde 2003. Assim: de um lado temos os tucanos meio que perdidos, sem rumo, dando cabeçada. Do outro, o consórcio Rede/PSB sem dizer concretamente a que veio;  ninguém sabe se é oposição, governo, governo envergonhado, se de esquerda, centro ou direita. Na verdade, o projeto Eduardo Campos/Marina Silva ainda é uma ilustríssima incógnita.

Já no Maranhão…

Em relação à sucessão da governadora Roseana Sarney o buraco parece ser mais embaixo.

A eleição de governo tende a ser muito disputada e, salvo maiores surpresas, polarizada entre o candidato do governo, Luis Fernando (PMDB), e candidato oposicionista Flávio Dino (PCdoB).

A candidatura Eliziane Gama (PPS) necessita ainda de certos “temperos políticos” para se viabilizar enquanto projeto que dispute concretamente a eleição, mas ainda assim conta com a simpatia de uma boa parcela do eleitorado que não aceita o Maranhão ser visto apenas em um retratado branco e preto (Sarney x Antissarney).

Tem ainda as candidatura do partidos mais à esquerda do espectro político (PSOL, PSTU, PBC etc), que podem pontuar bem na eleição a ponto de contribuir para que o pleito seja decidido somente no segundo turno.

De qualquer forma, a eleição terá nas pessoas de Luis Fernando e Flávio Dino (se não houver a inversão da chapa, ou seja, Flávio Dino senador e Roberto Rocha governador, mas isso é uma outra história) os protagonistas principais.

A eleição para o Senado Federal, ainda que muito importante, não é a que de fato mobiliza ou chama a atenção do eleitor, que está interessado é sobre quem vai governar os destinos do Maranhão pelos próximos quatro ou mais anos – sem falar que a disputa pelo pleito senatorial ficará mais clara após Roseana decidir se sairá candidata ou permanecerá no governo.

Guardo comigo a convicção de que, seja Luis Fernando, seja Flávio Dino, quem ganhar a eleição para governador terá todas as condições de inaugurar um novo ciclo político, econômico e social no Maranhão.

Flávio Dino

O candidato do PCdoB tem levado a mensagem de “boas-novas” para os maranhenses através dos tais “Diálogos pelo Maranhão”. Ganhando a eleição terá que mostrar serviço desdo o dia 1º de janeiro de 2015. Se começar com o lenga-lenga de que terá que arrumar a casa por causa dos “50 anos da oligarquia” será o sinal de que o seu governo está fadado ao fracasso.

Outro desafio num eventual governo Flávio Dino será o de acomodar interesses dos mais difusos, uma vez que deverá reunir em torno do seu projeto partidos políticos que vão do PCdoB, passando pelo PSB, PDT, PTC, PP até o PROS, do legendário reacionário Zé Vieira. Não é nada fácil imaginar como o comunista administrará um trem desse.

Luis Fernando

Candidato do grupos Sarney vai liderar uma aliança de centro-esquerda que deverá contar ainda com o PT .

Luis Fernando é o candidato que pretende renovar conceitos e práticas de gestão do grupo a qual pertence, tarefa não menos complicada do que a de Dino em querer transformar o Maranhão aliado com gente da extrema-direita e um punhado de sarneysistas arrependidos.

Entretanto, a favor do peemedebista há o fato da sua experiência administrativa associada à consciência de grupo que há em torno de si. Os interesses a serem geridos por Luis Fernando também são muitos, mas todos os atores já estão adaptados às condições do poder, o que ajuda bastante na administração dos conflitos.

O candidato governista tem defendido também a “mudança” numa tentativa da palavra não ser monopolizada pelo seu principal concorrente.

Por fim, ressalta-se que a opinião do Blog do Robert Lobato é dada em cima de fatos que marcam a conjuntura atual. Daqui até as convenções de abril muita coisa pode acontecer e o que hoje se apresenta como “quadro definitivo”, amanhã pode mudar completamente.

Não podemos esquecer que estamos tratando sobre política, onde os adversários que trocam ofensas atualmente, no futuro podem trocar deliciosos e apaixonados beijos.

E na boca…



Fonte :http://robertlobato.com.br/eleicoes-2014-o-que-nos-espera-no-proximo-ano/