O vereador Roberto Júnior quer construção de maternidade na Cidade Operária

Como sempre, o vereador Roberto Júnior está de parabéns pelas suas ideias, só espero serem concretizadas em breve...
Fiquem com a matéria do blogueiro Ricardo Santos.




O líder do PSB na Câmara Municipal, vereador Roberto Rocha Júnior, solicitou à Prefeitura de São Luís e à Secretaria Municipal de Saúde (SEMUS), a construção de uma maternidade no bairro Cidade Operária. De acordo com o vereador, o Conjunto Cidade Operária e os bairros adjacentes têm um contingente muito grande de mulheres, e uma das grandes reivindicações dos moradores de lá é a construção de uma maternidade municipal.
Roberto Júnior justificou seu requerimento ressaltando que as maternidades públicas de São Luís já não conseguem mais atender o grande número de mulheres grávidas, pois em todas elas a demanda é livre, ou seja, elas atendem parturientes não apenas da capital, mas também de todo o interior do Estado.
“Devido à insuficiência de leitos obstétricos, muitas grávidas são obrigadas a peregrinar por várias maternidades para conseguirem ser atendidas. Essa é uma situação corriqueira em São Luís, mas que precisa mudar. Mesmo que o município não tenha recursos financeiros próprios para construir mais maternidades, ele deve busca-lo junto ao Governo Federal. O poder público não pode fechar os olhos diante dessa situação que, além de ser bastante humilhante, ainda faz com que essas mulheres corram o risco de perderem seus filhos por falta de um atendimento adequado”, disse.
O Parlamentar destacou ainda que o projeto inicial para tentar garantir os recursos para a construção da maternidade já foi aprovado. Ele está orçado em 25 milhões de reais.
“A construção da maternidade, que terá 132 leitos, já teve seu primeiro projeto aprovado. Faltam agora apenas o projeto arquitetônico e o projeto executivo, que já estão em fase de conclusão. Dessa forma, a capital maranhense estará no caminho certo para cumprir a Lei Federal Nº 11.634/2007 que diz que toda gestante grávida assistida pelo Sistema Único de Saúde (SUS), tem o direito de saber previamente em qual maternidade será realizado o parto”, finalizou.
Além do Conjunto Cidade Operária, a maternidade vai atender a demanda de grávidas de toda a capital, principalmente dos bairros limítrofes, como Santa Clara, Santa Efigênia, Cidade Olímpica, Jardim Tropical, Jardim América, Jardim São Cristovão, Recanto dos Signos, Recanto dos Pássaros, Vila Flamengo e Maiobinha.

Transtorno do Espectro Autista

Direito de todos

Ajude a denunciar!